CIE

A Cátedra Iniciativa Empresarial é um fundo instituído na AESE por António Brandão Miranda, com o objetivo de promover estudos e atividades que fomentem o empreendedorismo, em Portugal e a partir de Portugal.

Esta iniciativa foi apresentada a 27 de janeiro de 2000, na Bolsa de Derivados do Porto.

 


A missão

 
A CIE surgiu da necessidade sentida pelo seu Fundador de incentivar o espírito empreendedor entre dirigentes de empresa e no âmbito da juventude, para que as organizações possam apresentar saudáveis crescimentos sustentados, e da convicção daquele de que este progresso económico e social se apoia na formação e transformação das mentalidades.

António Miranda, um industrial do Norte, muito reservado e simples com um apurado faro para o negócio, instituiu a Cátedra com o objetivo de potenciar o aparecimento de iniciativas empreendedoras pela via da investigação, da formação em gestão e do financiamento.

 


A AESE como Escola promotora de mudança

 
A Cátedra foi entregue à AESE por ser um instrumento relevante dessa mudança, quer na formação de executivos, quer com outras atividades, mais específicas no âmbito do empreendedorismo. Em contrapartida, a AESE comprometeu-se a desenvolver uma atividade académica de investigação e desenvolvimento nesta área, de análise da realidade, de prospeção de tendências e disponibilização de ferramentas de trabalho para a prática empresarial.

O primeiro responsável pela CIE foi o Professor José Ramalho Fontes. Durante os primeiros anos, criou espaço para o amadurecimento de ideias e projetos na linha da criação de riqueza, através da Escola, como plataforma de aprendizagem e de geração de conhecimento. A CIE teve inicialmente o apoio de um conselho consultivo constituído, entre outros, por José Tribolet, Borges Gouveia, Augusto Medina e M. Alves Monteiro.

Em 2006, a responsabilidade da Cátedra ficou a cargo de Vasco Bordado, Professor de Empreendedorismo da AESE, com uma larga experiência profissional na direção de empresas e com vontade de apostar em novos projetos com potencial empreendedor.

A partir de outubro de 2015, Rita Sousa assumiu as funções de Managing Director de Naves SCR.

A CIE atribuiu bolsas para investigação na área da inovação e do ambiente. Na sequência dessas investigações, a AESE publicou casos de estudo.

 


NAVES, a Sociedade de Capital de Risco da AESE

 Após a discussão do Caso Portugal: a gestão e as pessoas, na X Assembleia de Antigos da AESE, um grupo de executivos e académicos comprometeu-se a lançar um programa de apoio sólido e de relevância nacional de apoio ao espírito empreendedor.

NAVES, Sociedade de Capital de Risco S.A. nasceu assim em 2007, por iniciativa da AESE, como o braço financeiro de apoio aos melhores projetos empresariais dos alunos de Executive MBA AESE/IESE e Alumni AESE, bem como de outros projetos originados no ecossistema de apoio à inovação e empreendedorismo nacional. Conta hoje com mais de 90 acionistas particulares e empresariais, para além da própria AESE como sócia fundadora e detém na sua carteira 11 investimentos realizados nos setores da saúde, eficiência energética, moda, tecnologia de “print on demand”, tecnologia de impressão 3D e tecnologia de apoio à educação.

NAVES, pela sua estreita ligação à AESE, tem uma proposta de valor única em relação a outras sociedades de capital de risco em Portugal, que assenta no acesso a projetos de qualidade e promotores com elevada formação em gestão, na promoção de oportunidades de negócio e alavancagem da rede alargada de Alumni (mais de 5000, atualmente) e no acompanhamento das empresas por Alumni, com fortes competências de gestão e direção de empresas e experiência setorial.

NAVES encontra-se atualmente a levantar o Fundo de Capital de Risco Crescimento Verde e Azul destinado a investir em PME inovadoras nos sectores da agricultura, agro-indústria, floresta, recursos naturais e economia do mar.


Projetos a curto prazo

 
Para além de NAVES, existe o projeto Líderes 2020®, iniciativa que reúne empreendedores com menos de 45 anos e obra feita, empenhados em desenvolver ações concretas de estímulo ao espírito empreendedor junto de estudantes pré-universitários, universitários e recém-licenciados.


Artigos publicados

E se quisesse um fato à Humphrey Bogart? | Observador, 25 de julho de 2016

Só 05% dos desempregados arriscou criar o próprio negócio | Público, 27 de maio de 2012

A AESE financia os projetos com um valor até 250 mil eurosDiário Económico, 21 de maio de 2012

Programa NAVES da AESE financia 30% do capital social
 | Diário Económico, 21 de maio de 2012

Hopecare: Cuidados à distância | Jornal de negócios, 29 de março de 2012

10 Conselhos para lançar um negócioJornal de Negócios, 2 de fevereiro de 2012

Self Energy surgiu de um sonho de usar tecnologia | Diário Económico, 16 de novembro de 2011


Portugueses revolucionam com portal para a inovaçãoPME News, 28 de julho de 2011 


Inocrowd: A sabedoria das multidões | Jornal de negócios, 14 de abril de 2011

Zita Seabra exporta edições à medida | Expresso, 26 de março de 2011

À conquista do planeta com um bolo | Sol, 21 de março de 2011  

In Time: Virtudes de jogar em casa
| Jornal de negócios, 10 de março de 2011

AESE promove projectos nas energias renováveisExpresso, 22 de novembro de 2010