Notícias

Ambição para criar relações ad aeternum

Encerramento do 42.º Programa de Alta Direção de Empresas

“As organizações que perduram no tempo e que cultivam a sua cultura têm duas características fundamentais: sabem comemorar as suas efemérides e honram o cumprimento dos seus rituais. A AESE é disso um excelente exemplo.” António Gameiro Marques, Alumnus da AESE, convidado para discursar no encerramento do 42.º PADE, dirigiu-se aos recém-diplomados. “No habitual jantar de encerramento do Programa de Alta Direção de Empresas, comemora-se o princípio das nossas novas vidas como cidadãos mais enriquecidos, depois de terem terminado o PADE na mais antiga Escola de Negócios portuguesa. E é neste contexto, que partilharei convosco, sem me alongar muito, algumas notas pessoais relativamente ao programa que concluí há três anos, o 39.º PADE.

Posso dizer-vos que o PADE excedeu bastante as minhas expectativas em vários domínios:  
O primeiro decorre do que aprendi e da forma como o conhecimento me foi proporcionado e que muito me tem ajudado a ser um dirigente mais consciente dos caminhos que trilho ou posso vir a trilhar nessa qualidade.
O segundo decorre do facto da AESE colocar no estudo da gestão e dos negócios empresariais, o ser humano como elemento fulcral, dando uma forte tónica humanista à forma como se ensina a alta direção das organizações.
Mas foi no domínio do património imaterial que o PADE mais excedeu as minhas expectativas. O grupo que compunha o 39.º PADE, certamente tal como o vosso, era composto por pessoas com uma rica experiência diretiva em áreas muito heterogéneas, mas com muita vontade de, de forma construtiva, partilhar essas experiências, quer em discussão na aula, quer em grupo, no âmbito do estudo dos casos que constituem o fulcro deste programa. (…)
E esse ambiente proporcionou a criação de novos relacionamentos, diria mesmo de novas amizades que, no nosso caso, e como já mencionei, continuam a existir, e que julgo continuarão a perdurar no futuro.”    

Um programa especial
A Presidente do 42.º PADE, Elsa Gomes, apesar de ter estado ausente por motivos de trabalho, marcou presença na cerimónia de entrega de diplomas, por meio de um vídeo. Na sua mensagem, a Diretora-Geral Comercial da Euromadiport, explicou porque considerou o PADE “um programa especial”: surgiu “numa fase do percurso profissional e pessoal em que a experiência acumulada e respetiva maturidade permitem uma capacidade de apreensão que anteriormente seria difícil.”
 
Sobre o método do caso, salientou que “permite e obriga, em simultâneo, a um pensamento diferente. Quebra a rotina da nossa experiência e, inclusivamente, apercebemo-nos de alguns vícios que vamos ganhando, mesmo não nos dando conta. E isso ajuda-nos também a melhorar.”

“Permite também uma aproximação a novas realidades, não só no aspeto profissional (dito networking), mas igualmente a nível pessoal, com as novas amizades que vão sendo criadas, que vão sendo desenvolvidas, de semana para semana.” E “muito contribuiu a semana internacional que tivemos em Xangai.”

Em síntese, o PADE “estabeleceu laços que, na realidade, creio que serão ad aeternum, pois somos ambiciosos o suficiente para dizer isso.”

Valorização pessoal e profissional
“Quis o destino que se juntassem neste programa experiências tão diversificadas e de certa forma abrangentes do tecido económico Português. Desde o Sector público ao privado, da aviação comercial à metalomecânica pesada, infraestruturas, banca e financiamento especializado, energia, tecnologias de informação, grande distribuição e retalho moderno, Farmacêutico, Imobiliário e Turismo, Consultoria e Arte.” Paulo Pragana, eleito como Vice-Presidente, sublinhou quão convergentes foram as intenções dos participantes em aperfeiçoarem as suas competências. “Por diversos motivos e todos eles válidos, entenderam os participantes deste curso, iniciar esta valorização pessoal e profissional, como uma resposta à complexidade da realidade económica atual e à crescente exigência da sociedade que hoje se apresenta como um desafio à liderança das organizações e a modelos tradicionais de gestão e de relacionamento.

Em nome de todos os participantes, posso mesmo afirmar que o PADE constituiu uma oportunidade de atualização de conhecimentos, aprendizagem via diversidade de experiências e modelos de convivência, desenvolvimento pessoal, reflexão e inspiração, que os governos das organizações requerem de forma recorrente e permanente.

Não podemos deixar de agradecer a todo o corpo docente da AESE e demais colaboradores, pela sua qualidade, diversidade (Professores Portugueses, Espanhóis, Argentinos, Franceses, Chineses, Oradores convidados) dedicação, companheirismo, organização irrepreensível e proximidade, que acima de tudo nos fizeram sentir que antes de dirigentes e alunos, somos pessoas, pelo que a integração da vertente humana no conteúdo programático é diferenciadora, contribuindo para o sucesso do PADE em particular e para o sucesso e prestígio da AESE em geral.”