Notícias

Aprender para entregar melhor

AESE e IESE recebem o PADE da ASM

O  9.º PADE da ASM – Angola School of Management teve a sua semana internacional na AESE, em Lisboa, e no IESE, em Madrid, como experiência complementar na formação de executivos. Nesta visita, os participantes foram unânimes em dizer-se melhores decisores desde o início do programa e referir as mais valias aportadas pelo debate dos casos com os professores e os colegas.

As motivações de se inscreverem no PADE foram diversas: Timóteo Encarnação Júnior (TEJ), Diretor do Gabinete de Compliance do Banco de Desenvolvimento de Angola, sentiu que “precisava de novos conhecimentos e ver se aquilo que tinha feito estava em consonância com o conhecimento de base científica.” Hermínia Cardoso (HC), Diretora do Banco Millennium Atlântico, diz ter sido “uma aposta da administração do banco, que irá reforçar muito as minhas competências.” Já Nelson Variações da Silva (NVS), Secretário da Comissão Executiva da Sonangol Holdings, entendeu que “havia necessidade de perceber melhor a questão das organizações.” Como jurista,  queria “conhecer melhor como é que as outras pessoas trabalham e tentar de alguma maneira entender a linguagem que é usada na organização, de modo a facilitar também o meu próprio trabalho.”

Sente impacto do Programa no seu dia a dia como responsável da empresa?
TEJ: “O PADE tem tido um impacto bastante positivo. Tem-me levado a pensar de forma diferente e tenho a certeza mesmo absoluta que, quando acabar o PADE, o meu contributo no banco vai ser muito maior e muito melhor.”
HC: “Há medidas que já vêm sendo implementadas desde as primeiras sessões. Por um lado, porque sempre me identifiquei com elas desde o início. Por outro lado, porque o próprio banco já fez apostas anteriores com muitos outros quadros. Ou seja, eu sou 1 dos 18 quadros da direção de topo do banco que já participaram em programas com a ASM. Portanto, é uma questão de entender a forma como foram implementados e ajudar no cumprimento dessas implementações.”

O programa tem ajudado a enriquecer a sua rede de contactos?
TEJ: “Criámos uma boa rede de contactos. Inclusivamente, já traçámos novos planos para quando o PADE acabar, os encontros que temos de realizar, a periodicidade desses encontros e os contactos que arranjei agora em Espanha e mesmo aqui em Lisboa.”
NVS: “Principalmente nesta Semana Internacional, para além dos colegas que estão na turma, que são de várias áreas, para além das lições que são dadas que ajudam até a perceber um pouco o funcionamento de toda uma rede de negócios, a Semana Internacional trouxe uma maior vantagem, na medida em que conseguiu estabelecer uma network com profissionais de outras áreas que também estão a fazer o PADE no IESE, na AESE e que também estão a fazer os MBA em ambas as escolas.”

Como carateriza a visita ao IESE?
HC: “Única. Muito forte e enriquecedora. E o que eu espero que resulte no fim do dia, é que consiga agradecer por intermédio de resultados à minha organização. É fazer com que as pessoas que estão comigo na liderança das empresas do Banco Millennium Atlântico possam fazer uma entrega diferente de agora em diante. Ainda melhor.”

O que leva das visitas feitas às empresas, em Portugal?
NVS: “A Luís Simões surpreendeu-me por ser uma empresa familiar. Surpreendeu-me a organização que eles têm, a aposta que eles estão a fazer na inovação. Porque hoje em dia, as empresas têm de saber fazer a leitura das grandes transformações que vão ocorrendo. E uma das transformações tem sido no campo da inovação tecnológica. E julgo que a Luís Simões está no bom caminho. E aprendi bastante.”

O PADE da ASM regressou a Luanda, rumando para a reta final do programa.