Notícias

O futuro dos combustíveis fósseis e a mobilidade do futuro

António Comprido da APETRO no AMEG

Notícia
Lisboa, 2 de abril de 2019
António Comprido da APETRO no AMEG
O futuro dos combustíveis fósseis e a mobilidade do futuro
Será o motor de combustão interna banido na Mobilidade no futuro? António Comprido, Secretário geral da APETRO, pensa que não: “Os combustíveis fósseis estão cá ainda para durar muitas décadas. Aliás, sem eles seria impossível manter o ritmo de crescimento económico que o mundo tem. Aquilo que há a fazer é utilizá-los de maneira que provoquem os menores danos possíveis ao ambiente.” Esta afirmação teve lugar numa sessão do Advanced Management Program da AESE, realizada no dia 2 de abril. O orador considera que “o motor de combustão interna tem um largo futuro à sua frente. É provável que haja alguns segmentos onde isso possa acontecer, nomeadamente os veículos ligeiros, mas nos veículos de transportes de mercadorias de longo curso, o motor de combustão interna tem ainda um largo futuro à sua frente.” 
António Comprido referiu o modo como as empresas de Oil & Gas se estão a posicionar no presente e no futuro. 
Sobre o programa do setor energético na qual se incluiu a sua inervenção, António Comprido alega que “a AESE e a APE formaram uma boa parceria para promover o AMEG. Efetivamente, não temos muito nos cursos tradicionais, muita formação na área de energia. É uma área crucial, que está no centro de todas as atividades. Portanto, é de facto uma excelente iniciativa que proporciona a quem frequenta a possibilidade de melhorar os seus curricula e, basicamente, ficarem mais despertos para os temas da energia.”

Será o motor de combustão interna banido na Mobilidade no futuro? António Comprido, Secretário geral da APETRO, pensa que não: “Os combustíveis fósseis estão cá ainda para durar muitas décadas. Aliás, sem eles seria impossível manter o ritmo de crescimento económico que o mundo tem. Aquilo que há a fazer é utilizá-los de maneira que provoquem os menores danos possíveis ao ambiente.” Esta afirmação teve lugar numa sessão do Advanced Management Program da AESE, realizada no dia 2 de abril.

O orador considera que “o motor de combustão interna tem um largo futuro à sua frente. É provável que haja alguns segmentos onde isso possa acontecer, nomeadamente os veículos ligeiros, mas nos veículos de transportes de mercadorias de longo curso, o motor de combustão interna tem ainda um largo futuro à sua frente.”
 


António Comprido referiu o modo como as empresas de Oil & Gas se estão a posicionar no presente e no futuro. 

Sobre o programa do setor energético na qual se incluiu a sua inervenção, António Comprido alega que “a AESE e a APE formaram uma boa parceria para promover o AMEG. Efetivamente, não temos muito nos cursos tradicionais, muita formação na área de energia. É uma área crucial, que está no centro de todas as atividades. Portanto, é de facto uma excelente iniciativa que proporciona a quem frequenta a possibilidade de melhorar os seus curricula e, basicamente, ficarem mais despertos para os temas da energia.”