Notícias

“Podemos vir a ter eletricidade só de origem renovável em Portugal”

AMEG recebe António Sá da Costa, da APREN

AMEG recebe António Sá da Costa, da APREN
“Podemos vir ter eletricidade só de origem renovável”
António Sá da Costa, Presidente da APREN, esteve como orador convidado no AMEG para falar sobre "Energias renováveis”, e dar “uma visão de conjunto”.
Se é possível viver só de energias renováveis? Será, mas ainda não é possível. No seu entender, “dentro de 15 a 20 anos, podemos vir ter eletricidade só de origem renovável. Mas nós não vivemos só de eletricidade. Precisamos de outras formas de energia”.
A sessão com os participantes do Advanced Management Program in Energy abordou vários temas relacionados com a eficiência energética e a necessidade de converter algumas formas de energia em eletricidade.
O Presidente da APREN vê este programa da AESE, realizado em parceria com a APE “muito positiva”: “Sem gestores preparados a transição energética será mal feita.” O AMEG proporciona-lhes “uma abrangência numa série de disciplinas que lhes servirão para tomar as decisões e optar pelas políticas de desenvolvimento que o País precisa.”    

António Sá da Costa, Presidente da APREN, esteve como orador convidado no AMEG, a 11 de março de 2019, para falar sobre "Energias renováveis”, e apresentar “uma visão de conjunto” sobre a matéria.

Se é possível viver só de energias renováveis? Será no futuro, mas hoje ainda não é possível. No seu entender, “dentro de 15 a 20 anos, podemos vir a ter eletricidade só de origem renovável. Mas nós não vivemos só de eletricidade. Precisamos de outras formas de energia”.

A sessão com os participantes do Advanced Management Program in Energy abordou a penetração das fontes de energia renovável na produção de eletricidade no nosso país e o papel da eletrificação da economia na jornada para a descarbonização das sociedades.     

O Presidente da APREN vê este programa da AESE, realizado em parceria com a APE, como uma iniciativa “muito positiva”: “Sem gestores preparados, a transição energética será mal feita.” O AMEG proporciona-lhes “uma abrangência numa série de disciplinas que lhes servirão para tomar as decisões e optar pelas políticas de desenvolvimento de que o País precisa.”