Bruno Proença

Diretor Executivo, Diário Económico

“A motivação inicial para fazer o Executive MBA AESE/IESE

residiu na procura de novos conhecimentos e competências em

diferentes áreas de gestão, nomeadamente finanças, marketing

ou operações. Perante a crise que marca estes tempos,

acredito que a formação é um fator ainda mais diferenciador.

Devemos apostar sempre na formação mas, com o mercado

em contração, devemos fazê-lo com mais profundidade. E no

Executive MBA AESE/IESE encontrei essa consist
Mas a maior surpresa foi a preocupação com os valores. Na

AESE não aprendi apenas as teorias de gestão mais recentes,

aprendi que mais importante é o respeito pelas pessoas.

Liderar deve ter como objetivo a perpetuidade da empresa,

no respeito pela condição humana, procurando a unidade na

organização e o desenvolvimento da comunidade. Saí da AESE

com mais potencial para ser um líder melhor.”

“A motivação inicial para fazer o Executive MBA AESE/IESE residiu na procura de novos conhecimentos e competências em diferentes áreas de gestão, nomeadamente finanças, marketing ou operações. Perante a crise que marca estes tempos, acredito que a formação é um fator ainda mais diferenciador. Devemos apostar sempre na formação mas, com o mercado em contração, devemos fazê-lo com mais profundidade. 


E no Executive MBA AESE/IESE encontrei essa consistência. Mas a maior surpresa foi a preocupação com os valores. Na AESE, não aprendi apenas as teorias de gestão mais recentes, aprendi que mais importante é o respeito pelas pessoas. Liderar deve ter como objetivo a perpetuidade da empresa, no respeito pela condição humana, procurando a unidade na organização e o desenvolvimento da comunidade.

Saí da AESE com mais potencial para ser um líder melhor.”


Bruno Proença
Diretor Executivo, Diário Económico