Alexandra Bayão Horta

O PADIS é um programa de formação que recomendo a quem esteja numa posição institucional de liderança de equipas clínicas com um contacto direto com os centros de gestão. A ocupação destes lugares numa instituição impõe uma atitude de compatibilização de linguagens e de objetivos, que a formação médica clássica não confere. Esta aparente incompatibilidade suaviza-se com a frequência do curso, que confere competências na área de gestão, tendo especial incidência em áreas como as de comportamento humano nas organizações e gestão de operações.

 

Com a frequência do PADIS, foi possível, desde cedo, começar a sentir uma transformação da experiência adquirida ao longo da minha carreira hospitalar; senti uma melhoria da capacidade de decisão (tendo em conta impactos da mesma até aí minimizados ou não percebidos), da capacidade de liderança e motivação da equipa que coordeno, e ainda foi evidente o enriquecimento pessoal não académico.

 

O desenho do método de trabalho no curso, permite colher grandes mais-valias, quer no trabalho de grupo, ao partilhar de forma informal diferentes experiências e visões dos problemas colocados, quer nas sessões plenárias, ao permitir uma interatividade saudável e produtiva entre os alunos e entre estes e os professores.

 

Foram 12 semanas de trabalho, por vezes muito esforçadas, que me congratulo de ter tido oportunidade de frequentar.

 

Como se diz na brochura de apresentação/divulgação do programa, entre muitos outros objetivos a atingir no final do curso, “os participantes deverão ter pena de o programa ter terminado”.

 

ISTO ACONTECEU

 

 

Maria de Barros

Coordenadora de Internamento da Medicina Interna do Hospital da Luz