Florindo Esperancinha

Quando tomei conhecimento do ensino pelo Método do Caso, achei que transpor para a prática conceitos de marketing, logística, finanças, operações, estruturas, sistemas de direção ou configuração institucional discutindo casos reais, traria seguramente mais valias formativas e levar-me-ia a aprender, modificando a forma como eu próprio sedimentei a minha experiência ao longo da vida; é a velha expressão de que na prática a teoria é outra; no PADIS, na aliança entre os casos práticos e a teoria, consegue-se uma interligação em que aprender não custa e se faz com prazer.

O comportamento humano condiciona muito do que somos e também nesta área, o aprofundar de conhecimento dos mecanismos motivacionais e comportamentais, ajudou-me a olhar para as organizações dando-lhes rosto humano, dignificando a ética, valorizando a moral e espiritualizando o trabalho.

As instituições de saúde, como organizações em que o resultado final se consubstancia na obtenção de um bem inestimável para o cidadão, são estruturas complexas que têm de ser vistas não só como processos produtivos, mas com especificidades muito próprias, em que a tecnologia não se pode sobrepor ao homem e o valor da vida é critério maior na avaliação da sua eficiência; no PADIS fez-se uma abordagem multidisciplinar, tendo no final saído técnica, ética e socialmente enriquecido.

Todos os participantes do PADIS estão de uma forma ou outra ligados à saúde. Temos experiências acumuladas e responsabilidades de direção, pelo que discutir casos que abrangem transversalmente toda a estrutura de gestão do Hospital, desde o core business que é a prestação clínica, aos recursos humanos, sistemas de informação ou outros, é e foi para nós, profundamente estimulante; parafraseando um dos muitos professores de excelência que tivemos: “as pessoas não são apenas o que são, mas também aquilo que podem vir a ser”, ou então, “dai-me um porquê e eu aguento qualquer como”; e o PADIS ajudou-me.

 

 

Florindo Esperancinha

Diretor do Serviço de Oftalmologia | Hospital Fernando Fonseca