Mário Lopes

Frequentei o PADIS - Programa de Alta Direcção de Instituições de Saúde, por indicação do Conselho de Administração do Hospital de Santa Maria em Lisboa, onde exerço, atualmente, funções diretivas. Anteriormente, já tinha sentido a falta de uma formação mais ampla no complexo mundo da Gestão em Saúde.

 

Como apreciação global, direi que o Programa ultrapassou largamente as minhas expectativas iniciais e recomendo-o a todos os colegas que tenham de exercer funções de direção. De forma mais específica, gostaria de ressalvar cinco pontos:

 

1. 0 PADIS, que inclui uma visita muito proveitosa à Clínica Universitária de Navarra (que me lembrou o período em que trabalhei, nos anos 70, na Stanford University Medical Center, Califórnia, nos EUA).

 

2. 0 Método do Caso utilizado no processo educacional é muito apropriado aos médicos, habituados a resolver os problemas clínicos de cada um dos seus doentes individuais. A distribuição com uma semana de antecedência dos casos que serão sujeitos a análise e uma longa sessão de trabalho realizada pelos estudantes organizados em pequenos grupos, permite uma interiorização crítica dos vários elementos que fazem parte da complexidade do ambiente de gestão e das múltiplas soluções que se nos oferecem. A incerteza onde nos mergulhamos é semelhante ao ambiente de trabalho da prática da Arte da Medicina Clínica. 0 Método do Caso é utilizado de forma consistente e os casos escolhidos são apropriados, apenas com o inconveniente de maioritariamente abordarem cenários norte-americanos que são francamente diferentes da realidade nacional (e europeia).

 

3. Os Docentes são profissionais de elevado nível técnico e pedagógico. Todas as sessões foram extremamente agradáveis de seguir, sem pontos mortos ou desempenhos assimétricos.

 

4. 0 ambiente onde decorre o Programa é de 5 estrelas, o melhor que já frequentei (quer como discente, quer como docente) nos meus 58 anos de "estudante crónico". A refeição semanal que permite um convívio próximo entre alunos e docentes é um método educacional particularmente eficaz.

 

5. Por fim, a Cultura Institucional da AESE, responsável pela organização do PADIS. Esta cultura traduz de forma clara e eficaz o objetivo do PADIS: ajudar o participante a ter acesso ao conhecimento operativo essencial ao seu desenvolvimento pessoal, apercebendo-se da complexidade e vastidão das ciências e outras áreas técnicas ou sociais envolvidas na Gestão da Saúde, sem nos esmagar com informação não essencial. Desta forma, é possível a cada um dos participantes absorver o conhecimento relevante a partir da informação e dados fornecidos.

 

Uma palavra final para a direção do curso e, em particular, para o seu Diretor, Dr. José Fonseca Pires. A organização é impecável, com uma atenção permanente ao apoio e ao bem-estar do participante e ao rigoroso cumprimento do horário, que é uma prática essencial a uma gestão de qualidade.

 

Devido a esta experiéncia, não tenho dúvidas em recomendar este curso a todos os profissionais da equipa de saúde que tenham de lidar com responsabilidades de gestão e de liderança.

 

 

Mário Lopes

Diretor do Serviço de Cardiologia do Hospital Santa Maria | 6º PADIS