Teresa Sustelo

A oferta de ações de formação, nomeadamente as que são direcionadas para os "dirigentes" é imensa e, provavelmente excessiva, tendo em conta o universo relativamente modesto de clientes potenciais. Um ponto em comum têm as ações de formação propostas - o preço elevado! Perante esta realidade, a escolha das ações a frequentar tem que ter em linha de conta a qualidade das propostas, a qual terá de ser o critério prioritário da mesma.

É para mim evidente que o PADIS é dos melhores cursos que estão disponíveis no nosso mercado. Dos melhores, pela estrutura do programa e do plano de formação e pela qualidade dos preletores. Na minha perspetiva, a metodologia utilizada é a mais adequada aos destinatários e a que melhor se adequa aos objetivos do tipo de formação em causa.

Um dos pontos mais interessantes e mais conseguidos tem a ver com o modelo ativo de participação utilizando o "estudo do caso". Este modelo permite a transposição para a prática e implica a reflexão, o estudo e a possibilidade de mudança de modelos preconcebidos, erradamente considerados como verdades adquiridas. Ajuda-nos a identificar e a utilizar instrumentos de gestão. Desperta-nos para as competências e qualificações que, embora latentes, não eram usadas.

É minha convicção que a frequência deste PADIS pelos dirigentes, pode melhorar a sua capacidade de adaptação aos tempos de mudança em que vivemos. Inovar não é só fazer diferente, é sobretudo fazer melhor. É isto que o PADIS ensina e eu sinto-me, agora no fim do curso, mais qualificada, mais preparada e mais atenta sobretudo ao centro de todas as decisões - as pessoas.



Teresa Sustelo
Presidente do Conselho de Administração | Hospital Santa Marta